Fronteira do Brasil foi fechada para venezuelanos na tarde desta segunda-feira (6) (Foto: Wendel Pereira do Vale/Arquivo pessoal)

A fronteira do Brasil com a Venezuela foi fechada na tarde desta segunda-feira (6), informou a assessoria da Polícia Rodoviária Federal em Roraima. O bloqueio é para venezuelanos e ocorre após decisão da Justiça Federal local suspender entrada deles no Brasil pela fronteira.

O acesso só está sendo restrito a venezuelanos que querem ingressar no país, informou a PRF. O fechamento foi efetuado por volta das 17h e é feito pela Polícia Federal, PRF, e agentes da Força Nacional de Segurança.

A passagem no local é permitida a venezuelanos que querem voltar para o país e brasileiros ou outras pessoas que querem entrar em Pacaraima, que é a cidade que faz fronteira com a Venezuela, onde ocorre o fechamento, detalhou a PRF.

Fechamento é para venezuelanos que querem ingressar no Brasil; passagem é liberada para venezuelanas que querem voltar, ou brasileiros e outras pessoas que regressam da Venezuela (Foto: Wendel Pereira do Vale/Arquivo pessoal)

A suspensão do ingresso e a admissão de imigrantes venezuelanos, que é o ingresso formal no sistema fronteiriço, no Brasil foi determinada em decisão liminar do juiz federal Helder Girão Barreto, da 1ª Vara da Federal.

De acordo o parecer, o impedimento se refere a entradas feitas pela fronteira do país com o estado de Roraima e veta somente a venezuelanos, sem abranger outras nacionalidades. A estimativa é que entrem 500 venezuelanos por dia pela fronteira do estado e só no primeiro semestre deste ano foram feitos mais de 16 mil pedidos de refúgio no estado.

O juiz condicionou a suspensão da entrada de venezuelanos no Brasil até que se alcance um equilíbrio numérico com o processo de interiorização, que é a ação do governo federal que transfere imigrantes a outras partes do país, e que sejam criadas condições para um acolhimento humanitário em Roraima.

A decisão foi uma resposta à ação civil pública movida pelo MPF e a DPU contra o decreto estadual 25.681-E. Dentre as medidas, o decreto exige passaporte válido para que venezuelanos tenham acesso a serviços públicos estaduais – uma tentativa do governo de Roraima de filtrar a demanda e evitar colapso. Na sexta, a AGU pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) que suspenda o decreto.

Um morador de Pacaraima relatou que o fechamento da fronteira é feito por carros das forças de segurança que estão enfileirados do lado esquerdo da pista, onde fica o monumento com as bandeiras dos dois países.

Estima-se que por dia uma média de 500 venezuelanos cruzam a fronteira de Roraima para fugir do regime de Nicolás Maduro (Foto: Emily Costa/G1 RR/Arquivo )

Decreto estadual e veto a entrada de venezuelanos no país

No dia 1º, a governadora Suely Campos (PP) assinou o decreto 25.681 limitando serviços a estrangeiros sob a justificativa de que o fluxo migratório de venezuelanos tem causado impactos em todos os setores do estado.

Entre as normas criadas pelo governo estão a restrição de atendimentos a serviços públicos de pelo menos quatro secretarias (Saúde, Educação, Segurança, e Trabalho e Bem Estar Social) somente a estrangeiros com passaporte e deportação de imigrantes envolvidos em crimes.

Na tentativa de barrar as exigências do governo de Roraima, o Ministério Público Federal (MPF) e a Defensoria Pública da União (DPU) ingressaram na Justiça Federal local com um pedido de suspensão do decreto.

A resposta a ação foi dada nesse domingo (5) com a suspensão do ingresso e a admissão, que é o ingresso formal no sistema fronteiriço, de imigrantes venezuelanos no Brasil.

A Advogacia Geral da União também pediu suspensão do decreto ao STF, e após a decisão do juiz, cobrou urgência uma resposta à ministra Rosa Weber, relatora do caso.

O magistrado determinou ainda a suspensão da exigência de passaporte válido para que imigrantes tenham acesso a serviços públicos estaduais, possibilidade de deportação ou expulsão de venezuelanos envolvidos em crimes e vacinação compulsória de venezuelanos que já estejam no país.

Deveriam ser intimados para dar cumprimento a decisão o governo do estado, as polícias federal, militar, civil, as secretarias de Segurança Pública, Saúde e a Anvisa.

A imigração venezuelana para Roraima começou em 2015. Desde então, um número crescente de imigrantes que fogem da crise no regime de Maduro tem entrado no estado pela fronteira de Pacaraima, a 215 km de Boa Vista – alguns até mesmo a pé.

Atualmente, o estado tem 10 abrigos públicos, seis foram abertos só neste ano. Juntos, eles têm mais de 4 mil pessoas. Mesmo assim, ainda há imigrantes em situação de rua em pelo menos 10 dos 15 municípios do estado.

G1

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here