Anuncie no São Bento em Foco
CASO TRIPLEX

Recurso de Lula no STJ vai aguardar chegada de novo relator no caso Triplex

João Otávio de Noronha, presidente do Supremo Tribunal de Justiça (STJ)

13/09/2019 07h21
Por: São Bento em Foco
Fonte: JOVEM PAN
João Otávio de Noronha, presidente do Supremo Tribunal de Justiça (STJ)
João Otávio de Noronha, presidente do Supremo Tribunal de Justiça (STJ)

O presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), João Otávio de Noronha, disse nesta quinta-feira (12) que caberá a um ministro substituto a análise de um recurso do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no caso do triplex do Guarujá para migrar para o regime aberto.

Na próxima sessão, no dia 23, a Corte deve confirmar o nome do desembargador Leopoldo Raposo, do Tribunal de Justiça de Pernambuco, para substituir o relator da Operação Lava Jato no STJ, ministro Felix Fischer, que se recupera de uma embolia pulmonar e está afastado há mais de um mês.

Em abril, a Quinta Turma do STJ confirmou por unanimidade a condenação de Lula por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso, mas reduziu a pena de 12 anos e um mês de prisão para 8 anos, 10 meses e 20 dias.

Na ocasião, os ministros rejeitaram as principais teses levantadas pela defesa – como a ausência de provas, a competência da Justiça Eleitoral para cuidar do caso e uma suposta parcialidade do ex-juiz federal Sergio Moro na condução do processo.

“O caso do Lula, especificamente, é um caso que pode aguardar a chegada do novo relator. Porque é uma questão que já está aí pendente há muito tempo, não é uma prisão que aconteceu ontem, é uma prisão que ele está cumprindo. Não é nem prisão, o que nós estamos discutindo é a condenação, é o próprio juízo de mérito do processo penal, isso pode aguardar mais uma semana, dez dias sem nenhum problema”, disse Noronha.

O que pede a defesa do petista

No entendimento dos defensores de Lula, como o ex-presidente se encontra preso na Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba, desde 7 de abril de 2018, com a diminuição da pena, ele já teria direito de passar para o regime semiaberto — aquele que permite o apenado sair durante o dia da unidade prisional para estudar e trabalhar e se recolher à noite ao estabelecimento penal.

Ainda segundo a defesa, no entanto, o estabelecimento onde Lula está não se adequá às condições exigidas para este tipo de pena. Neste caso, os advogados pedem que ele passe a cumprir sua pena em casa, dentro do regime aberto, que confere ao condenado permissão para sair de casa durante o dia e a se recolher à residência durante à noite.

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários