A vereadora pessoense Raíssa Lacerda (PSD) levou até a tribuna da Câmara Municipal de João Pessoa (CMJP) a ligação entre operação “Cidade Luz” desencadeada na cidade de Patos pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público da Paraíba e a cidade de João Pessoa.

Desde o dia que a operação foi às ruas da “morada do sol” que se divulgou a informação de que um dos envolvidos, inclusive algo de busca e apreensão, foi o assessor jurídico da Prefeitura da capital, Felipe Moreira Cartaxo de Sá, que vem a ser parente do prefeito Luciano Cartaxo Pires de Sá. Felipe, segundo as investigações e segundo delações premiadas ex-funcionários da empresa Real Energy, operadora do esquema em Patos, Felipe Cartaxo foi quem intermediou o contato entre o prefeito de Patos, Dinaldinho (PSDB) e a empresa e por isso passou a receber uma propina de R$ 1 mil por mês. Além do servidor/parente, outro elo une as das cidades. O fato da empresa Real Energy ter recebido da prefeitura de João Pessoa, entre os anos de 2013 e 2017, um montante de mais de R$ 30 milhões.

O vereador Fernando Milanez Neto (PTB), líder do governo na Câmara Municipal de João Pessoa, foi o encarregado de fazer a defesa do governo Cartaxo, diante dos questionamentos de Raíssa. Para o líder, a vereadora nutre um sentimento ruim para com o prefeito e acaba se equivocando nas denúncias. Ele garantiu que a Prefeitura de João Pessoa nada tem haver com a Operação Cidade Luz desencadeada em Patos

Milanez Neto revelou ainda que o prefeito Luciano Cartaxo providenciou o afastamento do parente Felipe Cartaxo, tão logo veio à tona a operação e as denúncias contra ele. O parlamentar mirim disse ainda que é preciso ter cautela com as acusações que são feitas, garantiu que o agora ex-assessor jurídico é inocente e que, inclusive, poderá ser recontratado, quando as investigações findarem, sendo comprovada a sua inocência.

A discussão do caso se estendeu por todo o dia e no começo da noite, o radialista Fábio Bernado, usou os potentes microfone da Rádio Arapuan, para revelar que o ex-assessor jurídico da Prefeitura de João Pessoa, Felipe Cartaxo, já teria entrado em contato com alguns advogados e estuda fechar um acordo de delação premiada. Como a investigação em Patos, já está bastante adiantada com robustas provas, imagina que ele traga novidades de outros municípios.

PB AGORA

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here